segunda-feira, 2 de julho de 2012

ESPECIAL SAPATOS-Tipos de Saltos


















A invenção do salto ao que se conhece hoje é atribuída a Catarina de Médici. Filha de uma distinta família italiana de Florença, ela foi a Paris para se casar com o futuro Henry II da França. Por ser pequena, carregou na bagagem vários sapatos feitos por um artesão italiano com saltos que a deixava mais alta. 


A novidade virou moda na aristocracia francesa fazendo homens e mulheres usarem durante os séculos XVII e XVIII como uma marca de privilégio social. Só os ricos e bem nascidos podiam usá-los. 


Em 1800, os saltos descobriram a América, o cenário ideal para crescerem ainda mais. E o show começou nas casas suspeitas de New Orleans, que importavam garotas francesas que usavam saltos altos. O sucesso delas com os clientes foi tão grande que em 1890 a primeira fábrica de saltos de sapatos se estabeleceu em Massachusetts. O salto alto do sapato feminino alonga a perna e contribui para a valorização dessa parte do corpo. Muitas mulheres costumam associar o uso de saltos altos que podem chegar até 15cm ou mais, a uma sensação de maior confiança e sensualidade. A associação com o sensual talvez venha do fato das cortesãs japonesas que usavam tamancos com quase trinta centímetros de altura. 

Mas nem todos gostavam de subir no salto. Em 1791, Napoleão Bonaparte (1769 – 1821) erradicou o uso de saltos altos numa tentativa de demonstrar igualdade. Maria Antonieta (1755 – 1793), entretanto, o ignorou e calçou um lindo par de sapatos com salto de 5 centímetros para ser guilhotinada.


CURIOSIDADE: Você pagaria R$ 170 mil em um par de sapatos? Provavelmente não, mas um admirador de Maria Antonieta desembolsou essa quantia em março deste ano em um leilão na França, para adquirir o mule que pertenceu a ela. O calçado feito de seda é de 1790 e está em bom estado para tantos anos de existência. 

Histórias à parte, o fato é que hoje, mais do nunca os saltos continuam nos fascinando e entre tantos modelos e estilos de sapatos, é sempre muito difícil para nós escolhermos o modelo ideal, ou então o preferido. Mesmo que tenhamos os nossos queridinhos, com tantas opções disponíveis, sempre ficamos tentadas a experimentar um modelo novo, não é por acaso que os sapatos são uma das maiores paixões femininas, certo? Hoje resolvi falar um pouco sobre os principais tipos de saltos que estamos vendo por aí, para você poder conhecer melhor e definir qual se encaixa mais no seu perfil e estilo, e supre suas necessidades no dia a dia.
O primeiro modelo que vou mencionar é o salto ANABELA, muito confortável e básico.

O Salto Anabela (também chamado de cunho por causa da ferramenta) foi criado pelo designer de luxo Salvatore Ferragamo, que durante a 2ª Guerra Mundial achou uma alternativa para o racionamento de materiais e construiu saltos com cortiça. As mulheres da época condenavam o salto alto e a partir disso ele ganhou espessura ao invés de altura. Um motivo para amar? Segundo médicos ortopedistas, estes saltos são os menos prejudiciais a saúde, pois proporcionam uma melhor distribuição do peso sobre a planta solar dos pés! Como uma opção confortável, hoje ele é feito de diversos materiais e de várias alturas. 

PLATAFORMA

Esses são exemplos do Salto Plataforma, muito confundido com os saltos anabela. São bastante parecidos, mas a diferença é que a plataforma ainda tem uma meia-pata que dá continuidade ao salto grosso, já as anabelas só possuem uma elevação na parte do calcanhar e terminam logo ao encostar no chão.

SALTO BLOCO 

Com uma grande variação no tamanho o Salto Bloco faz parte dos saltos mais grossos, e por esse motivo proporcionam mais estabilidade e conforto ao andar pois ele também distribue a pressão exercida pelo peso do corpo sobre o pé. Vão dos modelo mais casuais até os mais elegantes e tradicionais, são uma ótima opção para quem trabalha com looks mais formais ou então tem de ir à um evento mais sosfisticado sem abrir mão do conforto.

SALTO SINO

É aqui que os saltos mais grossos ganham mais variação na espessura! O Salto Sino é inspirado no mesmo estilo das calças boca de sino ou as atuais Flare, que vão ganhando mais base conforme vai se aproximando do chão. 

SALTO PRISMA


Ao contrário do salto sino o Salto Prisma, vai afinando reto conforme chega no chão de modo que as linhas fiquem paralelas, tudo muito bem calculado! É comum modelos desse tipo mais altos, de 7 a 12 centímetros.

SALTO CONE 



O Salto Cone ao invés de ter um afinamento reto ganha a forma de um cone invertido, com a superfície mais fina no chão e a base no calcanhar mais espessa. Não há modelos tão altos desse tipo de salto devido sua anatomia.

SALTO CUBANO 



Esse é um modelo bastante curioso, sua forma se assemelha ao salto anabela mas ele tem um detalhe que não deixa ele enconstar totalmente no chão. Sua origem vem dos saltos das botas montarias masculinas e que logo passou para os sapatos de danças flamencas e tango com o seu auge nos anos 30/40. Ele proporciona segurança e equilíbrio, já que o seu salto não é muito alto e sua largura é considerada ideal.

SALTO AGULHA
















E, por último na nossa lista de saltos mais comuns, o clássico e super feminino Salto Agulha ou Stiletto!  Esse modelo originou-se no início dos anos 50 na Itália e, na época, era confeccionado em madeira e reforçado por uma liga metálica no interior. Nos anos 60, um plástico resistente foi o substituto escolhido para o uso do salto. No pós-guerra, era o complemento ideal para os elegantes tailleurs, e sua altura atingia até 9 centímetros e embora tal medida tenha sido alvo de muitas críticas à época, hoje ele é encontrado em versões ainda mais maiores. É recomendado para se usar à noite, mas caso decida usar durante o dia tudo bem, desde que não precise ficar muito tempo em pé.
Existem diversos outros modelos de saltos para diversas situações e estilos diferentes, a verdade é  que nós mulheres continuamos a fazer como Catarina de Médici e Maria Antonieta: sofremos, sorrimos, somos condenadas… mas sempre calçando nossos sapatos preferidos, mesmo sem entender o porquê de gostarmos tanto deles, não concordam?

3 comentários:

  1. Bacana a história do salto. Conhecer e não somente usar é importante.
    Andréia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Andréia, a história da moda é muuuuuito interessante, vez ou outra vou acabar falando nela em alguma matéria.bj

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir